POR QUE PRECISAMOS DE DROGAS?

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

O conceito de drogas é bastante amplo, incluindo tanto medicamentos que curam quanto substâncias que entorpecem e matam.

Queremos aqui falar tão-somente das drogas no sentido negativo, ou seja, das substâncias que alteram o estado de consciência, que causam alucinação e ilusão dos sentidos, e que podem matar.

Dentro do espectro de substâncias que alteram os sentidos, e também o estado mental, se encontram o álcool, a maconha, a cocaína, a heroína, o haxixe, o LSD, o crack e muitas outras drogas em forma de comprimidos hoje usadas em casas noturnas de dança, como o êxtase.

Há drogas lícitas, ou seja, aquelas que são permitidas por lei, como o ácool, e as proibidas, que são praticamente todas as outras acima citadas.

O álcool, por ser a única droga permitida, é a mais usada, mais consumida, mais divulgada, tendo ainda sua propaganda em larga escala veiculada na televisão, com propagandas atraentes e muitas vezes hipócritas.

Não podemos pensar que o álcool, por ser permitido, é menos lesivo e menos letal do que as outras drogas.

Se tomarmos por base as estatísticas, veremos que o ácool é o principal responsável pela maioria dos acidentes automobilísticos nas estradas e nas cidades, juntamente com a imprudência, e normalmente os dois andam de mãos dadas.

Sabemos hoje que álcool e direção não combinam. Trata-se de mistura explosiva, e mortal.

O álcool usado com freqüência e em grande quantidade produz o encolhimento do cérebro, como já indicou pesquisa sobre o tema. Os sentidos são gradativamente entorpecidos à medida que vamos bebendo mais e mais álcool. A visão diminui, e também a audição, fazendo as pessoas falarem cada vez mais alto, bem como diminui o tato, deixando as pessoas cada vez mais insensíveis à dor. O paladar reduz. A mente fica cada vez mais embotada, com menor poder de raciocínio, de percepção.

Quantos crimes já foram e continuam sendo cometidos sob o efeito encorajador do álcool? Quantos jovens já morreram porque dirigiam alcoolizados? E quantos bêbados no volante já tiraram vidas inocentes em outros veículos ou subindo em calçadas?

Vemos quase que diariamente na televisão todos esses acontecimentos ligados ao álcool, porque ele é uma droga aceita socialmente, e seu consumo é incentivado até mesmo dentro de casa.

Os próprios pais, quando não incentivam, permitem que seus filhos comecem a beber cada vez mais cedo, porque também eles iniciaram cedo, sendo isso um hábito ruim já incorporado na sociedade. Beber “socialmente” já foi institucionalizado.

Tímidos bebem para vencer e superar sua timidez para conseguirem se aproximar das pessoas, principalmente do sexo oposto; criminosos bebem para tomar coragem para cometerem crimes horrendos; casais bebem para se aturarem; filhos bebem para serem aceitos no grupo, e para agredirem seus pais ou se livrarem deles; pessoas bem para comemorar coisas boas, como conquistas, e também para esquercer coisas ruins. Tudo hoje é motivo para beber. Tudo é justificativa para beber.

As pessoas não se dão conta do que lhes acontece do ponto de vista energético e espiritual quando estão sob o efeito do ácool.

Quando bebemos, o ácool vai rapidamente para a corrente sanguínea e logo chega até o sistema nervoso, afetando nossos neurônios, e toda a circulação energética dos corpos, não apenas do físico.

À medida que vamos ingerindo álcool, gradativamente nossa vibração vai reduzindo de potência, e isso nos coloca cada vez mais expostos a influências espirituais e energéticas nocivas. Muitas vezes espíritos viciados em álcool se aproximam de nós para aproveirar e beber juntos, e isso inclui perdas energéticas, e influência mental para bebermos mais e mais, e cada vez mais freqüente.

Muita gente que bebe não sabe que bebe acompanhada. Os desencarnados continuam muitas vezes também com seus vícios, da mesma forma que os encarnados, e os procuram de acordo com suas afinidades, para satisfazer seus desejos viciosos.

Falei muito do ácool por ser a droga mais usada, e única aceita pela sociedade. Mas isso não quer dizer que as outras drogas não ssejam menos perigosas e danosas para o espírito.

Quando se fuma maconha, cheira cocaína, toma um comprimido de êxtase, ou se utiliza qualquer outra substância alucinógena e entorpecente da mente, também se está abrindo “janelas” para o mundo espiritual, rompendo muitas vezes as telas de proteção do corpo energético mais próximo do físico, e com isso o usuário vê muitas vezes seres e ambientes verdadeiramente de outras dimensões, e muitas vezes de ambientes ruins, e seres ruins.

Há um grande perigo em se abrir janelas forçadamente para o mundo espiritual sem o devido preparo e maturiadade através de drogas.

Em reuniões mediúnicas já atendi e presenciei muitas manifestações de espíritos que desencarnaram por causa de uma overdose de alguma dessas drogas, inclusive a maconha em grande quantidade. E normalmente a pessoa não se dá conta que deixou o corpo de carne, ou seja, não se dá conta que desencarnou, ou que morreu, para usar a expressão mais comum.

Muitos pensam que continuam em uma viagem, mas acham estranho que ela esteja demorando de acabar. Às vezes a viagem leva anos no plano espiritual, sem a menor consciência de que se está em uma outra dimensão, em um outro mundo.

É preciso reflexão sobre as razões de se usar drogas. Por que se drogar? Por que usar álcool, maconha, cocaína, êxtase, etc.?

Será fuga? Mas de quê? Da sociedade, da família, da esposa ou esposo, dos pais, da realidade que não nos agrada, de si próprio?

Do que se está tentando fugir ao usar drogas? Por que se precisa alterar o estado mental para sorrir mais, para ficar mais feliz, mais alegre? Não se consegue alegrar sem substências externas que são colocadas para dentro do corpo para gerar determinados efeitos em na mente?

Por que não se consegue ir a uma reunião social ou a uma festa e se divertir sem usar algum tipo de substância que altere as percepções e os sentidos, e modifique a mente?

Hoje já não uso absolutamente qualquer substância que altere de qualquer forma a minha mente, a minha percepção, os meus sentidos. Não coloco para dentro de meu corpo nem mais uma gotinha de álcool, e não sinto a menor falta disso. Prefiro me manter totalmente normal, lúcido a todo tempo, e com minha vibração sempre igual, mantendo um mínimo aceitável, e procurando fazer minha vibração subir através da oração, da meditação, da boa leitura, dos bons pensamentos, da boa conversação.

Ontem à noite vi pela televisão o caso do assassinato de uma mãe grávida de nove meses e seu filho de dois anos por motivo de acerto de contas entre organizações de traficantes no Rio de Janeiro. O pai, provavelmente o devedor, mas certamente o procurado, não estava em casa, e então mataram a família toda.

Isso me leva sempre a refletir sobre a culpa dos usuários, que nunca que se sentem culpados, que nunca pensam que são também responsáveis por essas situações e pela violência ligada ao tráfico de drogas no mundo. Não pensam jamais que estão também associados a seres infernais que estão ligados aos traficantes encarnados. Tudo tem um correspondente no outro plano.

Na verdade, é preciso dizer que todo usuário é meio traficante. Todos os que usam drogas são sócios das organizações de produção e comercialização das drogas. Só há produção e comércio de drogas porque há consumidores, porque há usuários.

Quem usa droga ilícita, além de estar abrindo a mente e os corpos energéticos para o astral inferior, e para o inferno mental, está também financiando as organizações criminosas que tanto aterrorizam as cidades atualmente, gerando medo, estresse, angústia.

Saia dessa vida! Liberte-se das drogas! Purifique a sua mente e o seu corpo! Eleve seus pensamentos e sua vibração para alçar vôos cada vez mais altos!

Retire-se da sociedade com os traficantes! Deixe de ser sócio do “Diabo”!

Siga para a luz interior, que vem de Deus!
Por um mundo de paz, e sem drogas!
Muita Paz!
Salvador, 28 de outubro de 2008.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *