CUIDANDO DOS NOSSOS IDOSOS

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Hoje cedo abri uma mensagem linda que me foi enviada por irmão Durval, que reside em Aracajú, e ela me inspirou e me incentivou a escrever sobre o envelhecimento e sobre cuidado com os idosos.

Nossa sociedade só muito recentemente começou a envelhecer.

Nos anos 70, a população brasileira era jovem, com média de 18 anos de idade.

Hoje já estamos bem mais velhos.

A Europa e o Japão estão ainda mais velhos do que nós.

O mundo todo vai envelhecendo, com a melhoria das condições de vida, com melhor alimentação, com mais tecnologia e aparelhos utilizados pela medicina.

A expectativa de vida sobe cada vez mais, e hoje há mais de 60 mil pessoas com mais de cem anos de idade em todo o mundo.

Os idosos se tornarão em breve tempo maioria, e hoje em supermercados já podemos ver que muitos deles preferem as filas normais a aquelas destinadas preferencialmente a eles, como pude ver ainda ontem em Salvador em um grande hipermercado, porque as filas dos idosos crescem sem parar.

Todavia, ainda que a lei venha cada vez mais amparando os idosos e dando-lhes algum tratamento diferenciado e privilegiado, eles vão ficando cada vez mais invisíveis numa sociedade que ainda supervaloriza a juventude, a beleza física e o vigor.

Os idosos se sentem Cada vez mais sozinhos, solitários, abandonados, a começar pela própria família. E isso não quer dizer que os estejamos colocando em asilos. Não, não é isso. Estamos abandonando nossos pais e avós em suas própria casas, pois cada vez mais vamos visitá-los menos…

Nem sempre os idosos são devidamente respeitados em seus direitos. E poucas vezes os mais jovens dão espaço e vez aos idosos quando a lei não impõe isso, como, por exemplo, dar lugar a um idoso no ônibus, quando os lugares a eles destinados já estão ocupados por outros idosos.

Nem todo lugar tem placas indicando a preferência para os idosos, como junto às máquinas ou terminais de autoatendimento dos bancos, espalhadas pelas cidades.

Outro dia estava na fila de uma dessas máquinas, em um supermercado, e chegou uma senhora com a cabeça bem branquinha, e entrou na fila, no seu final, atrás de mim. Arrisquei-me a ser antipático com a maioria, mas disse a ela que tinha preferência, e falei com os que estavam na minha frente para deixarem ela passar na nossa frente, e felizmente ninguém fez cara feia. Mas nem sempre é assim.

Não quero aqui me fixar apenas nos privilégios legais dados aos idosos.

Quero, antes de tudo, e acima de tudo, e principalmente, chamar a atenção para o fato de não estarmos dando atenção aos nossos idosos, sejam eles nossos pais, avós, tios, amigos…e também os desconhecidos…

É certo que todos iremos envelhecer, exceto os que deixarão o corpo cedo, o que parece que ninguém quer…

Desse modo, devemos nos preparar para o envelhecimento, e devemos começar a tratar os nossos velhinhos exatamente como gostaríamos ser tratados…não esqueçam da Lei de Causa e Efeito…

Quem com ferro fere, com ferro será ferido, dizia Jesus.

Quem hoje trata mal os idosos, e não os acolhe com amor e carinho não deve esperar muito dos outros na sua velhice…o Universo nos devolve sempre o que lançamos para ele.

É preciso amar mais os idosos, a começar por nossos pais, e nossos avós, tios, e parentes em geral. E também precisamos amar e respeitar a todos os velhinhos.

Aliás, todos, de qualquer idade, devem ser tratados com respeito e carinho. Mas é que aqui e agora a minha preocupação é com os idosos, que são mais frágeis, mais carentes, mais abandonados, e que estão se sentindo cada vez mais invisíveis, e isso é verdade.

Observem nos shoppings como olhamos para os jovens de forma diferente como olhamos para os idosos. A maioria desvia o olhar quando se depara com um velhinho ou uma velhinha, e buscam logo alguém mais belo, mais forte, com a pele sem rugas, com a coluna esticadinha. Mas esquecem que daqui há uns aninhos também estaremos curvando, e com rugas, e entrando também na faixa da invisibilidade, sem precisarmos usar a capa especial do Harry Poter…

Vamos olhar mais e cuidar mais dos nossos velhinhos. Vamos lhes dar mais atenção. Vamos lhes dar mais passagem livre em qualquer fila, seja lá do que for.

E sobretudo vamos acolhê-los.

Acho que uma boa técnica é pensar que o idoso à nossa frente poderia ser nosso pai, ou nossa mãe, ou nossa avó ou avô.

Quem não gosta ou gostava de seus pais e seus avós…só talvez os poucos que tiveram pais e avós desnaturados, insensíveis, sem amor no coração.

É difícil ver avós que não gostam de seus netinhos, e da mesma forma pais que não gostam e que não tratam seus filhos bem, com carinho, e que não os acolhe.

Assim, podemos dizer com segurança que quase todos nós temos ou tivemos bons avós e bons pais, o que permite que utilizemos a técnica aqui sugerida.

Sempre que olhar para um idoso em dificuldade, ajude-o como se fosse sua avó, seu avô, ou seu pai ou sua mãe. Isso fará com que você ajude sempre aos mais fracos pela idade.

O Universo lhe agradecerá no seu devido tempo, lhe retornando carinho, afeto, cuidado e respeito, amparo, e proteção na sua velhice…

É dando que se recebe, disse Francisco de Assis.

Devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos, disse Jesus.

Saibamos dar um sorriso simpático, afetuoso, e amparar os velhinhos à nossa volta, para que eles não se sintam tão desprotegidos, ameaçados pelos jovens, e para que sintam que não são realmente invisíveis.

Vamos amar os nossos velhinhos, os nossos idosos, acolhendo-os da melhor maneira possível em todos os momentos que for necessário.

Um dia chegaremos lá…e saberemos, por experiência própria, o que é a dor do abandono e da solidão…
Termino essa mensagem emocionado e com os olhos cheios de lágrimas…não enxergo mais as letras no meu notebook para continuar escrevendo…

Muita Paz.
Salvador, 08 de agosto de 2009.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *