A PROJEÇÃO ASTRAL E AS DROGAS

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

No dia 5 de novembro escrevi um texto tratando dos viciados em droga após a morte, como podem ler aqui neste site.
Agora, em complementação, e também em razão de uma pergunta lançada em uma comunidade de projeção astral no Orkut, pretendo falar um pouco mais sobre esse assunto, notadamente relacionando as drogas com a projeção astral.
Vamos falar apenas de drogas que possuem efeito alucinógeno, por agirem em todos os sentidos do corpo físico.
As mais conhecidas e utilizadas no Brasil atualmente são a maconha, a cocaína, o crack e o êxtase.
Todas essas substâncias agem no sistema nervoso de modo a afetarem nossos sentidos.
Quando se fuma maconha, por exemplo, rapidamente as substâncias liberadas pela queima do cigarro de maconha entram no pulmão, e de lá são absorvidas pelo sistema circulatório, indo para o sistema nervoso em seguida, chegando até o cérebro.

Cannabis é o gênero botânico de algumas plantas, das quais a mais famosa é a Cannabis sativa, da qual se produz o haxixe e a maconha. Além desta, são também conhecidas a Cannabis indica e a Cannabis ruderalis, sendo esta última, com muito menor quantidade de THC (6,9-Tetra-hidro-canabinol – principal princípio psico-ativo da Cannabis), cultivada em países como a China e Canadá para a produção de cânhamo, utilizado na indústria têxtil.
É a substância THC a principal responsável pelos efeitos alucinógenos na maconha.

Hoje, depois de duas décadas de pesquisas e mudanças genéticas na planta, com a engenharia genética, a maconha consumida é pelo menos dez vezes mais forte do que aquela consumida nos anos 1980 e em décadas anteriores, pois a planta hoje cultivada tem maior teor de THC. Assim, os efeitos da maconha hoje são ainda maiores sobre os sentidos humanos.

Quando se fuma maconha, rapidamente, em poucos minutos, a visão começa a se alterar, a audição se modifica, o tato, a gustação e o paladar se alteram rapidamente. E a mente já não é mais a mesma, não tendo mais a mesma percepção da realidade ao redor da pessoa. A realidade se modifica muito.
O cérebro passa a perceber as coisas ao redor da pessoa de uma forma diferenciada, e então a pessoa não é mais a mesma depois de fumar maconha, ou cheirar cocaína, ou fumar crack.

Já tive uma vez, durante um carnaval, quando era bem jovem, uma alucinação terrível após cheirar muito lança-perfume.

Uma realidade completamente diferente se formou ao meu redor, passando a me sentir dentro de um carro descendo uma ladeira embalado, e eu estava no banco de trás, sozinho, e sem conseguir frear o carro, e não via nada lá fora, e somente depois de um tempo eu vi um rosto horrível na janela, gritando comigo, e eu apavorado, e depois de um tempo as coisas foram se modificando, até que vi que o rosto era na verdade de um amigo, que estava na janela do carro, chamando-me para sair, e os outros estavam na rua pulando debaixo da chuva. Percebi, então, que tudo foi apenas uma alucinação, uma ilusão criada pela mente, por causa do efeito do lança-perfume. O carro na verdade estava estacionado, parado. Imaginem a cocaína, ou muita maconha, ou LSD, ou morfina, etc.

Sob o efeito de uma droga forte, e principalmente absorvida em grande quantidade, o cérebro e a mente podem criar alucinações visuais, auditivas, etc, de modo que a pessoa no momento não saiba distinguir a realidade real da realidade artificial que foi criada, a alucinação.

Pense agora que você está querendo sair do corpo após fumar maconha ou tomar outra droga qualquer.
A droga pode até permitir que você saia do corpo, mas que certeza terá que realmente saiu do corpo, que não é apenas alucinação?

Ademais, ainda que tenha certeza que realmente deixou o corpo, que certeza terá que está percebendo corretamente a realidade do outro plano, se nem a realidade deste mundo físico você está dominando quando está sob efeito da droga?

Além de tudo isso, há um risco de você apagar, quero dizer morrer, de parada cardíaca, sem nem perceber, sem sentir dor alguma, e sem se dar conta de que desencarnou, e ficar na “viagem” mental, alucinógena, por muitos anos, até um dia alguém, em alguma reunião mediúnica, se você tiver a sorte de ser levado até uma, tentar neutralizar os efeitos da droga e te convencer de que já morreu. E quanto tempo terá sido perdido por conta de uma diversão perigosa… quantos viciados já atendi assim…

Viagem astral, projeção astral de verdade, nada tem de alucinógeno!
É preciso estar lúcido, raciocinando claramente, e com os sentidos alertas e atentos para entender corretamente a realidade física, quanto mais a realidade astral, que é muito mais complexa, e muito diferente.

Drogado, alguém pode se tornar joguete nas mãos de viciados desencarnados, e até mesmo de organizações das trevas que fornecem o prazer das drogas a desencarnados que ainda procuram essas substâncias após a morte, porque não se libertaram ainda do vício. E aí então o encarnado passa a ser cada vez mais assediado e incentivado mentalmente, telepaticamente, por espíritos de pouca evolução, para que consuma cada vez mais drogas, para atender às necessidades dos viciados desencarnados, que depois terão que pagar um alto preço a essas organizações, terão que pagar fazendo muitas vezes um trabalho de obsessão, mesmo sem saberem que estão sendo usados. Que consciência um viciado em droga pode ter das coisas, seja neste mundo, seja no outro?

A busca da projeção astral por meio de drogas, mesmo pela maconha, que não é das mais fortes, pode ser muito perigosa, pois, ainda que a pessoa saia do corpo, não terá a devida e necessária proteção espiritual, assistência, condução, acompanhamento, e não saberá distinguir entre uma “viagem” mental, alucinógena, de uma autêntica viagem astral.

Vejam que muita gente que não usa qualquer droga ainda tem dificuldade em distinguir os sonhos e visões da verdadeira lembrança das experiências fora do corpo. Assim, tomando droga a coisa fica ainda mais difícil.
Não vale realmente a pena buscar a projeção astral usando maconha, ou qualquer outra droga mais pesada.
O que você poderá ter é provavelmente uma “viagem” mental apenas, e com grande risco para a saúde do corpo físico, do cérebro, dos pulmões, da mente, e com o tempo não saberá mais distinguir a realidade da fantasia, a realidade da alucinação.

Além disso, há sempre o risco de uma over dose, pois ninguém sabe qual o limite do seu corpo aos efeitos das drogas. O coração pode parar até cheirando loló, como já vi em um clube durante um carnaval há muitos anos atrás.

Quer fazer projeção astral?
Tenha uma boa alimentação, para purificar o corpo.
Leia muito, aproveitando a experiência dos mais antigos no ramo.

Tente a saída consciente, com a sua mente lúcida, normal, para que tenha certeza do que está acontecendo.
Drogas não valem a pena para nada, então por que seriam boas para a projeção astral?
A maconha, a meu ver, atrapalha, sim, a projeção astral, dando aqui a minha resposta direta à pergunta feita na comunidade de projeção astral no orkut.

Projeção astral tem riscos, sim, e não é brincadeira ou passatempo.
Projeção astral deve ser praticada por quem leva a coisa a sério, por quem estuda, lê, e busca a proteção para a garantia de sua segurança em um mundo estranho, desconhecido e cheio de perigos.
É preciso ter responsabilidade na prática da projeção astral.

Tem, ainda, e por fim, a questão ética do uso das drogas, como bem lembrou o amigo Guilherme, ao se manifestar na comunidade do Orkut.

Quem usa drogas estimula a produção e o comércio delas. Ou seja, o consumidor é um verdadeiro sócio dos produtores e comerciantes das drogas, que são os chamados traficantes.

O consumidor pode hoje não ser preso, por ser considerado não um criminoso aos olhos da lei, mas um doente, que precisa de tratamento, mas aos olhos da Lei de Causa e Efeito, da Lei do Carma, ele é tão culpado quanto os produtores e comerciantes das drogas.

O usuário das drogas é cúmplice e coautor de todos os crimes e por toda a violência promovida pelos traficantes no mundo. Isso simplesmente porque só há cultivo de maconha porque há quem goste de fumar maconha, e assim também acontece com a cocaína, o crack, etc.

Não passa despercebido pela Lei de Causa e Efeito, que é uma Lei Divina, o incentivo ao crime organizado financiado pelos usuários de drogas.

Fumar um cigarrinho de maconha no fim de semana para curtição pode parecer bobagem, insignificante, nada demais. Puro engano! Quem tem esse hábito está sustentando os traficantes que comandam as favelas no Rio de Janeiro, que levam as drogas a toda parte, levando jovens e crianças a morrerem usando as drogas ou nas lutas entre facções rivais que disputam os pontos de venda das drogas, ou morrem no confronto com a polícia.
Não há usuário inocente! E todos responderão no devido tempo!

Como podem ver, a questão das drogas vai muito além da pequena questão de atrapalhar a projeção astral.
É bom refletir sobre tudo isso, para depois não dizer que não entende as razões do resgate cármico e não alegar ignorância perante as cortes astrais, achando-se inocente.

Por isso, amigos, digam sempre NÃO às drogas!

Muita Paz!
Salvador, 08 de novembro de 2009.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *