QUEM COM FERRO FERE, COM FERRO SERÁ FERIDO

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Os Evangelhos da Bíblia relatam que quando Jesus estava sendo preso, no Monte das Oliveiras, nas proximidades de Jerusalém, seus discípulos acordaram e entraram em pânico, tendo a maioria deles corrido, e Pedro teria pego a faca, ou talvez uma espada, e partiu para a defesa de seu mestre, tendo avançado sobre um dos guardas e cortado a sua orelha.

Descrevem os evangelistas que Jesus teria dito a Pedro nesse momento:
– Pedro, embainha a tua espada, pois quem com ferro fere, com ferro será ferido!
O que teria Jesus pretendido dizer a Pedro com tal frase?

A resposta talvez mais imediata, e mais material que nos vêm à mente é que se Pedro atacava os guardas armado, tentando feri-los, poderia acabar sendo ferido com suas armas. Ou seja, atacava com ferro (espada), e seria ferido com ferro (espada). Mas a reação seria imediata, instantânea.

Isso seria o retorno imediato de sua ação, de sua atitude.
Atacando com arma, seria ferido com arma, como forma de reação normal de quem é atacado, principalmente se o atacado está em maior número.
Mas há ainda outra interpretação a ser dada à frase de Jesus.

Jesus, sábio que era, e certamente conhecedor da Lei de Causa e Efeito, estaria naquele momento dizendo a Pedro que se ele ferisse alguém, futuramente teria que responder, sendo provavelmente ferido de forma semelhante. E, assim, se ferisse alguém com ferro, com a espada, poderia ser depois, na mesma vida ou em vida futura igualmente ferido com ferro, com espada ou algo semelhante.

No nosso dia a dia em trabalho em reunião mediúnica, em intercâmbio com espíritos desencarnados, temos visto tantos e tantos casos de pessoas que mataram em uma vida e em outra encarnação seguinte foi morta de forma muitas vezes igual, ou pelo menos semelhante, se não pelas mãos da mesma pessoa que matou antes, então pelas mãos de um terceiro, mas de forma a resgatar o mau carma adquirido no passado.
A Lei de Causa e Efeito nos faz resgatar nossos delitos, nossos crimes, nossos desatinos, nossas maldades.
Quando já mais evoluídos, e conscientes, podemos receber moratória, ou saldar nossos débitos cármicos com trabalho em prol da humanidade.

Hoje até mesmo o moderno Direito Penal já criou as chamadas penas alternativas, que podem ser de prestação de serviços à comunidade, de entrega de cestas básicas a entidades filantrópicas, e outras mais.
Os crimes mais “leves”, ou menos graves, sem agressão física, e não representando a pessoa perigo ou ameaça para a sociedade, podem ser punidos de forma diferenciada, sem o encarceramento do condenado em presídios. Isso foi um avanço do Direito Penal.

Se nós humanos encarnados já chegamos a esse ponto, encarando a pena não mais como uma mera vingança social, mas como forma de recuperação do homem, quanto mais os seres muito mais elevados, que cuidam das nossas penas, os Senhores do Carma, como chamavam os antigos teosofistas.
Um espírito pode fazer muito mal em uma vida, tirando muitas vidas, e depois se arrepender e iniciar um importante trabalho de ajuda aos pobres na África, por exemplo, como fez Madre Tereza de Calcutá. Isso é o que se chama de resgatar pelo amor, em vez de pela dor.

Podemos escolher, quando já mais maduros, entre resgatar nossas dividas pela dor, pela expiação, como chamam os espíritas, ou pelo amor, que é materializado pelo trabalho em prol dos outros.
Deus não se vinga, nem quer o nosso mal. O que Ele quer é a nossa regeneração, a nossa recuperação.
Assim, podemos saldar as dívidas cármicas com trabalho e amor ao próximo.

O que Jesus quis dizer a Pedro, a meu ver, era para ele não agredir, não bater, não matar, pois iria com isso criar um carma que teria que ser resgatado futuramente de forma semelhante ao que ele iria fazer.
Se Pedro tivesse matado um guarda, e ele quase fez isso, tendo atingido a orelha de um deles, teria certamente depois sofrido as consequências, salvo se tivesse trabalhado muito para saldar a dívida com seu trabalho.
Vejam que mesmo diante de tudo o que Pedro fez em vida, o seu fim ainda assim foi a crucificação, e de cabeça para baixo, a seu pedido, para que não fosse crucificado igual ao seu mestre.

O importante é não fazermos nunca o mal, pois ele sempre se voltará contra nós.
Devemos fazer todo o bem que nos for possível fazer, pois com isso estaremos saldando débitos antigos, e com isso amortizando a nossa dívida com a Lei de Causa e Efeito.

Quanto mais trabalharmos pelo bem de todos, mais diminuimos nossos débitos, e mais perto do céu chegaremos, pouco a pouco, mesmo que isso ainda demore muito.
Assim, se sacou a arma, guarde-a antes de usar! Lembe-se das palvras de Jesus! Quem com ferro fere, com ferro será ferido!

O ideal é sequer ter arma, sequer comprar uma arma. Assim, corre-se menos riscos de usar a arma contra o próximo, e quem sabe até mesmo contra você mesmo, em ato de suicídio, num momento de desespero e desequilíbrio mental, e ainda há sempre o risco de um filho pequeno descobrir a arma guardada e usa-la em casa ou na escola, brincando inocentemente, e tirando a própria vida sem querer, ou a de um amiguinho, coisa que não é tão raro de acontecer, segundo os noticiários de TV.

Nunca comprei uma arma! Não usei arma nessa vida! Usei armas demais em outras vidas! Chega!
Já recebi ameça de morte por telefone na justiça, em minha função de juiz, mas mesmo assim não comprei arma. E nada me aconteceu! Aqui estou!

Como dizia Jesus:
– Não cai um fio de cabelo da nossa cabeça sem que Deus saiba e permita!
Se acreditarmos nisso, andaremos pelas ruas sem medo de nada! É assim que ando, sem medo de nada!
Nenhum mal me acontecerá se não tiver que acontecer!
Aquilo que tiver que sofrer, nada poderá impedir!
Se estiver programado um acidente de avião para mim, e eu com medo jamais pegar um avião, no dia certo um avião cairá sobre a minha casa, e eu morrerei em desastre de avião, queimado, como programado!
Ninguém escapa ao seu carma! Ou, como costumam dizer também, ninguém foge do seu destino!
Assim, é melhor fazer o bem e andar sem medo, confiante na Justiça Divina!

Muita Paz.
Salvador, 22 de outubro de 2009.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *