SOMBRAS DO PASSADO

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Cenário…Idade Média…digamos por volta do ano 1.400…

Um grupo de padres e outras autoridades da Igreja Católica queimam viva uma mulher na fogueira, após a terem condenado por suposta prática de bruxaria…

Cenário…Estados Unidos da América…por volta do ano 1.800…

Tropa de cavalaria do exército americano ataca aldeia de índios no oeste americano e toca fogo nas cabanas, queimando vivas diversas pessoas…

Cenário…reunião mediúnica de um centro espiritualista de cura…trabalho de desobsessão…ano 2010…

Espírito desencarnado que se diz um índio americano, e que é visto assim, conversa com o terapeuta encarnado, também chamado de doutrinador, através de um médium de psicofonia, ou incorporação, e não quer se afastar de uma mulher que é paciente da casa…diz que está atingindo seu intento, que é torturar e levar à morte a mulher…está, juntamente com sua tribo, todos índios desencarnados, que permanecem juntos, agindo sobre o cérebro da mulher, e causando-lhe distúrbios físicos no cérebro…ela já sente os efeitos, e perdeu a coordenação motora e já não consegue escrever direito…

Após longa conversa com o espírito, com o índio, o terapeuta propõe fazer com ele uma regressão de memória, mas não com hipnose, e sim apenas colocando a mão na frente de sua testa (na frente da testa do médium) e pedir a Deus que permita ao índio ver o que deu causa ao seu sofrimento (ser queimado vivo junto com toda a sua aldeia)…
Depois de o terapeuta usar um nome indígena de Deus, e perguntar ao índio se ele acreditava em Deus, e o ouvir dizer que sim, e perguntar se ele achava que Deus era injusto, e ouvir a resposta negativa, o índio finalmente aceitou fazer a regressão…

Ele começou a ver na sua frente, como numa tela de TV, o que parecia ser um filme, com um grupo de padres católicos queimando uma mulher…então lhe foi perguntado quem era aquela mulher que ele via…e ele disse que era o comandante da tropa que queimou os índios vivos no oeste americano…
Em seguida, falou-se em Lei de Causa e Efeito, em colher o que plantamos, em perdão, como de costume nessas situações…

O índio se acalmou após a regressão…sua agressividade, sua revolta, e sua arrogância iniciais simplesmente desapareceram depois que ele viu o mesmo grupo de índios junto no passado queimando viva uma indefesa mulher acusada de bruxaria…e viu que a sua vítima atual antes havia sido vítima inocente de toda a tribo…e deve ter lembrado que sua tribo tinha uma feiticeira, como todas as tribos indígenas, e que isso não era coisa do demônio…

O índio pediu um tempo, e disse que não poderia decidir sozinho quanto a deixar em paz a mulher doente, pois teria que consultar o conselho de sua tribo, uma vez que a tribo toda estava se vingando da mulher pelo que ela fez aos índios indefesos no passado mais recente…cerca de 200 anos atrás…
Devem ter desistido da vingança, certamente, pois a mulher melhorou muito com o tratamento energético…e sobretudo depois da conversa na reunião mediúnica com o índio, que devia ser o chefe da tribo…

Isso mostra como as sombras do nosso passado nos perseguem por anos, séculos, e até milênios em alguns casos…
Como não lembramos as vidas passadas, seja enquanto encarnados, seja logo após a morte, pois nem todos se recordam logo das vidas anteriores assim que morrem fisicamente, é comum as pessoas continuarem odiando seus algozes logo depois da morte…

As pessoas se sentem vítimas…e apenas se recordam do que lhe fizeram recentemente, não lembrando o que fizeram antes, em vidas anteriores…em um passado mais distante…
Normalmente quando, em reuniões mediúnicas, fazemos o espírito regredir ao passado mais longínquo, a uma vida na qual ele foi o algoz, e quase sempre da mesma pessoa que agora ele considera seu inimigo, mas que foi antiga vítima sua também, o espírito acaba desistindo da vingança, mesmo que não tenha de imediato condições de perdoar…e isso só virá com o tempo…
Nosso passado nos acompanha como a nossa sombra em dia ensolarado…

Nossos inimigos do passado nos perseguem, nos procuram depois da morte, e muitas vezes nos encontram, mesmo estando nós agora em outro corpo, com nova roupagem, muitas vezes com outro sexo, outro nome, em outro país e em outra cultura…mas somos o mesmo ser que os feriu…e eles não nos perdoaram…
Cada ato de maldade que praticarmos agora nos seguirá por muito tempo, e suas consequências, reguladas pela Lei de Causa e Efeito, nos atingirão fatalmente, inexoravelmente, estejamos onde estivermos…

Quem com ferre fere, com ferro será ferido, como dizia Jesus…
Não é a pena de Talião, mas o retorno do bulmerangue do carma…a ação lançada no espaço/tempo voltando para quem a praticou…
É a Lei do Retorno, como também chamam, ou Lei do Carma…a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória, como costumava dizer o maior doutrinador espírita que conheci, professor Walter Porto…

Devemos ter em mente que todas as nossas más ações causarão algum efeito danoso nos outros, e que esses outros podem ter muita dificuldade para nos perdorar, e podem querer o revide…e isso vai nos causar também dor e sofrimento…

Toda ação provoca uma reação igual e contrária…isso tanto serve para a física quanto para a Lei de Causa e Efeito, que é uma das Leis Divinas, na visão espiritualista…
Os índios do caso acima relatado, real e recente, tiraram várias vidas inocentes quando eram inquisidores católicos, e mais tarde uma de suas vítimas comandou outras vítimas numa ação contra eles mesmos, agora índios igualmente inocentes, mas antes culpados, e provavelmente mesmo entre os soldados que participaram da ação militar covarde estavam outras pessoas igualmente queimadas vivas pelos mesmos padres, e depois índios…ninguém sofre inocente, como dia Professor Walter…isso quando olhamos a continuidade da vida, com as várias encarnações, e diante da Lei de Causa e Efeito…

As sombras do passado dos índios os perseguiram…e os fez sofrer de forma semelhante ao sofrimento que infligiram a inocentes no passado…as supostas bruxas…as feiticeiras…foram todos igualmente queimados vivos sem terem feito nada errado…é a aparente ironia do destino…
Essas experiências acabam nos fazendo aprender a não mais fazermos sofrerem outras pessoas…a não mais causarem dor nos outros.
Assim, a Lei de Causa e Efeito na verdade tem um caráter terapêutico, e didático, nos ensinando que fazer o mal aos outros não compensa, pois sofreremos de forma semelhante, até não mais sentirmos o impulso de fazer o mal a ninguém…

Quantas obsessões, quantos processos de esquisofrenia, quantas doenças físicas, quantos problemas diversos são causados por espíritos desencarnados que nos odeiam e que nos perseguem…porque não nos perdoaram ainda pelo que lhes fizemos…vemos isso semanalmente na reunião mediúnica de desobsessão…vemos na prática a Lei de Causa e Efeito em ação…e como aprendemos com isso…as estórias e as dores dos outros…

Temos que pedir perdão a todos os que ferimos no passado, nesta e em vidas anteriores, e precisamos, acima de tudo, não mais fazer ninguém sofrer, para não criarmos novas sombras a nos seguir por séculos…
Perdoar e pedir perdão!

Libertar-se dos inimigos pelo perdão!
Só o perdão põe fim verdadeiramente aos processos obsessivos…
Que não criemos mais sombras para o futuro, e que consigamos nos libertar das sombras de nosso passado tortuoso…
Que Deus nos perdoe pelo que fizemos no passado aos outros!
É perdoando que se é perdoado, disse Jesus.

Muita Paz!
Salvador, 26 de fevereiro de 2010.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *