NO PALCO DA VIDA

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Há mais de vinte, talvez mais de trinta anos que penso na vida no mundo material como sendo uma peça de teatro representada em um grande palco, o “Palco da Vida”.
Tenho feito um paralelo, mais ou menos como uma metáfora, em que o mundo espiritual, que é o mundo real, o mundo originário do espírito, compõe os bastidores da vida, e o mundo físico, material, é o palco da vida.

Falo da vida do espírito, não apenas da vida do homem físico. Por isso meu conceito de vida não se limita à vida física.
Sempre que falo em vida, estou colocando o mais amplo e verdadeiro, que é a vida do ser imortal, que é o espírito, já que o corpo de carne não é imortal, o que é óbvio e incontestável.
Ontem estava fazendo outra comparação metafórica, que ajudará a compreender melhor este texto.
Estava pensando no mergulhador.

Aos 16 anos eu gostava de mergulhar no mar, com nadadeiras (pés de pato), máscara (óculos de mergulho) e respirador (tubo).
Vamos pensar no mergulhador mais paramentado, com a vestimenta completa, que inclui a roupa de borracha.
Pensemos que somos um mergulhador.

Antes de mergulharmos, estamos em um “mundo”, ou “dimensão”, que o mergulhador chama de superfície, em que respiramos normalmente, sem necessitar de qualquer aparelho ou máscara, e nos movimentamos livremente, de forma mais rápida.
Para entrarmos no mar, e descermos abaixo da linha da superfície, precisamos de equipamentos especiais.
Vestimos uma roupa especial, de borracha, colocamos cilindro com oxigênio nas costas, usamos máscara e nadadeiras.
Dentro da água, nossos movimentos ficam mais lentos, a visão fica mais limitada, por causa do uso da máscara, e precisamos de nadadeiras para que o deslocamento se dê mais rápido.
Quando estamos no fundo do mar, parece que estamos em outro mundo.
Reina o silêncio!

Os seres são muito diferentes dentro da água, e a vida é totalmente outra. Parece que realmente estamos em outro mundo, ou em outra dimensão.
Todavia, o cilindro de oxigênio tem uma determinada quantidade de oxigênio, e ela termina, e então quando isso acontece precisamos voltar para a superfície, para o nosso mundo real. Mas podemos encher novamente o cilindro de oxigênio e tornar a descer, vestindo mais uma vez a roupa especial de mergulho, e vivenciar mais uma vez a experiência do contato com aquela “dimensão” aquática.

Podemos dizer que o mergulhador é o espírito, e que a vestimenta de mergulho é o corpo físico, que vestimos temporariamente para mergulharmos no mundo material, no Plano Físico.
Aqui e agora, como ora estamos, a ler estas palavras, estamos vestindo uma roupagem especial que limita os nossos movimentos, o que chamamos de corpo físico.
Sem essa vestimenta de carne, não poderíamos “descer” vibratoriamente e consciencialmente para esta dimensão mais condensada, para este mundo material.
Aqui, dentro da roupagem de carne, que já chamei de escafandro de carne em um de meus livros, nossa visão fica mais limitada, mais turva. Nossa percepção é menor. E nossos movimentos ficam mais lentos.

Um dia, o limite do “oxigênio” termina, e precisamos retornar para a superfície, que é o nosso mundo real, de onde saímos antes de “mergulharmos” na matéria.
Muitos de nós vivemos no “fundo do mar”, usando uma roupa especial de “mergulho”, e nos envolvemos tanto na experiência que passamos a ter a ilusão de que nunca mergulhamos, e que sempre estevimos aqui, que nascemos aqui, já na vestimenta de carne. E acreditamos inclusive que não existe a “superfície”!
Essa é a ilusão de parte dos humanos, que acha que nasceu no corpo de carne e que ao morrer nada mais existirá.
Ainda há muitos que não acreditam em vida depois da morte!

Esses acham que só existe uma vida, e que ela é apenas física, e que depois da morte nada mais haverá. Eles se identificaram tanto com o corpo de carne que acreditam ser o corpo.
Vamos agora fazer outro paralelo, que é mais antigo na minha mente.
Pensemos que somos atores (ou atrizes) de teatro.
O ator é o ser real, permanente, que vive a vida real no mundo.
O ator representa vários papéis no teatro, em cima do palco.
O ator constrói cada personagem, e o vivencia enquanto está representando o papel.
Terminada a peça, é como se o ator “desincorporasse” o personagem, que ele “incorporou” durante o espetáculo.
O ator maduro não se confunde com os personagens que ele representa e “incorpora” temporariamente.
Todavia, atores mais jovens, e menos experientes, podem se deixar influenciar demais pelos personagens, e adotar comportamentos dos personagens que ele representou.
Nós todos somos espíritos! Somos seres imortais!

Somos como atores que constroem seus personagens, planejam cada peça, e representam vários papéis durante a vida.
No entanto, não podemos pensar que somos o personagem! O personagem é temporário, é passageiro!
Nós não somos o personagem! Somos os atores!
O mundo espiritual compõe os bastidores do teatro. Os bastidores fazem parte do mundo real do ator.
Já o palco é preparado para cada peça!

O palco faz parte do mundo de ilusões criado pelos atores para o entretenimento das pessoas.
O palco da vida é o mundo físico, o mundo chamado material, por ser constituído de matéria mais densa que conhecemos.
Todos nós, atores/espíritos, estamos aqui e agora representando temporariamente, neste instante, uma “peça”, que chamamos de encarnação, sendo homem ou mulher, de cor mais clara ou mais escura, com olhos mais puxados ou mais redondos, aprendendo coisas diferentes, exercendo profissões diversas, mas tudo fazendo parte de uma “peça”.
Contudo, muitos ainda têm a ilusão de que são o personagem, e se confundem com ele.
São como os mergulhadores que acham que são a vestimenta que usam temporariamente para descerem ao fundo mar.
Muitos atores/espíritos ainda vivem a ilusão de que não existe ator, nem bastidores, e que o mundo real é o palco.
Para esses, o palco da vida é o real, é a única realidade!

Para eles, não existe reencarnação, nem espírito, nem mundo espiritual.
Somente acreditam na matéria, naquilo que podem ver! Mas não percebem que a “máscara” que usam durante o “mergulho”, e que faz parte de sua vestimenta especial de mergulho, limita a sua visão e a sua percepção, e por isso lhe causam ilusão visual, e ilusão de percepção.
Esses atores/espíritos iludidos pensam mesmo que são o personagem!
São como os seres humanos do filme Matrix que ainda não tomaram a pílula.

Aqueles que tomam a pílula da consciência espiritual saem do estado de ilusão, e percebem que ficaram muito tempo achando que eram o mergulhador, pensando que eram os personagens que representavam.
Depois que tomamos a pílula da consciência despertada, a ilusão se desfaz!
Percebemos então que somos em realidade o ator! Percebemos que somos o mergulhador, e apenas mergulhamos temporariamente, e sempre por um tempo limitado, no “mar” de matéria.
Representamos “peças”, ou seja, temos diversas experiências reencarnatórias, aprendendo sempre novas coisas, revendo coisas antigas ainda não convenientemente compreendidas, e voltamos sempre depois para os bastidores do mundo espiritual, que é, sempre foi e sempre será o nosso mundo real, verdadeiro, o mundo originário.
Precisamos acordar, despertar, “tomar a pílula” oferecida por Morfeu, que aqui é representado por todo o conhecimento espiritual já trazido para a humanidade terrestre.
É hora de sair da ilusão! Abrir os olhos da alma para perceber a transitoriedade das coisas materiais, e não nos apegarmos a elas.

Vamos acordar para a realidade, e percebermos que somos atores/espíritos vivenciando papéis com objetivos definidos e temporários, somos mergulhadores, não a vestimenta por eles usadas.
Estamos aqui de passagem no mundo físico, e em breve tempo voltaremos para o mundo espiritual.
Não confundamos mais as estações! Não somos o corpo! Somos o espírito!
Vivamos com a consciência plena do que somos, para melhor aproveitarmos as lições que viemos aprender aqui neste “mar de matéria”, neste palco da vida cheio de ilusões, mas que faz parte do nosso aprendizado evolutivo.

Muita Paz!
Salvador, 18 de setembro de 2010.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *