O MUNDO REAL

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Quando assisti ao filme Matrix pela primeira vez, anos atrás, fiz um paralelo entre a vida no Plano Físico e no Plano Astral, ou seja, em outras palavras, entre o mundo material e o mundo espiritual.
No filme, muito bom por sinal, os seres humanos haviam há muito sido dominados pelas máquinas inteligentes, que criaram um programa de computador ao qual conectavam os humanos que ficavam em um estado de sono profundo. Esse programa era chamado de Matrix.
Matrix era um mundo artificial, virtual, mas que para os humanos passou a ser a única realidade.
Todos aqueles que estavam aprisionados pelas máquinas e conectados ao programa Matrix não faziam realmente ideia de que estavam dentro de um mundo ou universo virtual. Aquilo era mesmo real para eles.

O filme já começa mostrando que havia algumas pessoas que tinham despertado, e se desconectado de Matrix, a exemplo de Morfeus.
Quando Morfeus entra em contato com Neo pela internet, estando Neo na Matrix, como se aquilo fosse a realidade para ele, termina levando-o a despertar também, convencendo-o a tomar uma pílula, dentro de Matrix.
Então Neo é resgatado fisicamente da “plantação” de humanos, onde estava dentro de uma espécie de incubadora, e é levado pela resistência.
Neo passa a perceber por fim que estava vivendo em um mundo irreal, virtual, e somente após o resgate passa a ter uma vida real, com no corpo físico.
O filme mostra que a maior parte da humanidade estava vivendo no mundo de Matrix, sem ter consciência de que estava dominada e de que vivia uma grande ilusão.
Poucos haviam despertado, tomando a pílula, e passaram a lutar para libertar o resto da humanidade presa na ilusão de Matrix.

Recentemente, assisti ao filme A Origem, que lida com coisas de certo modo semelhantes ao filme Matrix, só que em A Origem há um mundo real e um mundo dos sonhos, no qual algumas pessoas entram usando uma máquina para se conectar, o que se assemelha ao filme Matrix.
No mundo dos sonhos do filme A Origem é possível influenciar aqueles que estão no mundo real, roubando-lhes ideias ou implantando, inserindo ideias em suas mentes, daí o título do filme, que em inglês significa inserção, de inserir, introduzir.

Ao assistir A Origem, fiz igualmente um paralelo entre o mundo real físico e o mundo dos sonhos com o mundo material e o mundo espiritual.
Isso me fez voltar aos meus 17 anos, quando comecei a fazer experiências que eu chamava de “experiências de controle de sonho”, após ler um pouco sobre parapsicologia.
Naquela época eu me concentrava em um determinado lugar, pessoa ou situação, antes de dormir, colocando na mente que sonharia com aquilo que eu desejava, e isso acontecia mesmo.
Depois de uns meses fazendo isso, comecei a me perguntar, e filosofar com meu irmão Jorge, meu primeiro companheiro de filosofia nesta vida, se na verdade não era este mundo apenas um sonho e o mundo dos sonhos era a realidade.

Hoje, depois de ter assistido várias vezes Matrix, e ter visto A Origem, volto a refletir sobre isso, ou na verdade confirmar todas as minhas certezas.
Há muito que penso realmente, e coloco isso claramente no volume III do meu livro Sana Khan – Um Mestre no Além, que o mundo espiritual é que é o mundo real, o mundo original, e este plano material, plano físico, este mundo material é que é uma espécie de sonho, de Matrix.
Ontem, ao assistir ao filme Nosso Lar, ouvi o personagem André Luis, espírito desencarnado, dizer em determinado momento que aquele mundo onde ele estava, o mundo espiritual, era o mundo real, e que passamos temporariamente pelo mundo material.
É exatamente isso! É assim que penso hoje em dia!

Fazendo um paralelo com o filme Matrix, podemos dizer que a maioria da humanidade ainda está “dormindo”, não fisicamente, como no filme, mas consciencialmente, sem perceber que está num mundo temporário, provisório, que é o mundo material, sendo esse mundo material Matrix.
Poucos humanos, considerados estes como sendo os espíritos encarnados, já “tomaram a pílula” e despertaram para essa verdade.
Ainda são mesmo muito poucas as pessoas que se sentem espírito, e sabem que estão neste plano material apenas temporiamente, de passagem, e que sabem que isso aqui não é o real, ou pelo menos percebem que esta dimensão física não é mais real do que o mundo espiritual.

A grande maioria vive ainda uma grande ilusão, achando que estão vivendo a única realidade possível e existente, como as pessoas na Matrix antes de tomarem a pílula.
Como no filme A Origem, muitos estão sonhando e não percebem que estão sonhando. Não sabem separar o sonho da realidade.
Nós somos espíritos, não corpo. Nós temos um corpo, ou vários corpos, se preferirem.
Se hoje uma imensa catástrofe destruísse totalmente o planeta físico, isso não afetaria o mundo espiriual, que continuaria existindo.
A morte física não afeta o espírito, do ponto de vista de sua existência.

Só o corpo físico morre, e se desintegra. E ocorrendo a morte física, o espírito, que é sede da consciência, continua vivo, pensando, agindo, experimentando.
Muitas vezes passamos 100 ou 200 anos no mundo espiritual, e então encarnamos e vivemos neste plano material durante 50 a 70 anos.
No início, quando ainda somos espíritos jovens, iniciando nossa evolução, passamos mais tempo no mundo material, encarnado, do que no mundo espiritual. Mas na medida em que vamos crescendo, isso se inverte, e passamos muito mais tempo no mundo espiritual do que no mundo físico.
Há espíritos que estão sem encarnar há 1.000 ou 2.000 anos, como Jesus e outros.

Tomei a “pílula” quando tinha 19 anos. Foi quando comecei a ler sobre projeção astral. E logo, de imediato, quis experimentar as saídas astrais por mim mesmo. Não queria apenas um conhecimento teórico sobre isso. Queria vivenciar a saída do corpo de forma consciente e conhecer o mundo espiritual já antes mesmo de morrer fisicamente, já que isso era possível, como diziam alguns autores.
Se alguns diziam e escreviam que estavam saindo do corpo e viajando pelo Plano Astral, pelo mundo espiritual, então eu também poderia fazer isso.
Li, tentei, pratiquei, criei minha técnica, ajustando conhecimentos sobre relaxamento que aprendi com a Hatha Yoga, e comecei a sair consciente do corpo físico.
Um mundo fantástico se descortinou à minha frente!
Um mundo inteiramente novo, desconhecido, em parte muito semelhante a este plano físico, mas em parte muito diferente, como fui vendo aos poucos.
O grande problema que me aconteceu foi que gostei tanto do outro mundo que passei a conhecer que comcei a viver para sair do corpo, passava o dia pensando em sair do corpo, fazendo práticas de yoga, exercícios respiratórios e outras coisas, tudo pensando apenas em sair do corpo de noite.
Meu foco, em vida, aos 20 anos, passou a ser o mundo espiritual, e então descuidei de minha vida material.

Abandonei a faculdade de arquitetura, queria ir para a Índia, me isolei dos amigos, pouco convivia com minha família, etc.
Foi um desequilíbrio total nesse sentido!
Saía realmente do corpo conscientemente quase todos os dias naquele tempo, mas estava vivendo mais a vida de desencarnado do que a de encarnado, invertendo a situação, e perdendo algumas experiências importantes do mundo físico.
Precisei dar uma parada! E depois de um tempo retomei a caminhada projetiva de forma mais equilibrada.
O mundo material é também importante, ou não existiria!

Não estamos aqui sem um sentido, à toa, como se diz. Há um propósito para estarmos encarnados aqui e agora, neste planeta.
Todavia, devemos “tomar a pílula”!
Precisamos despertar!
Por mais que este mundo seja real para nós agora, enquanto estamos encarnados, e para muitos ele parece ser a única realidade mesmo, na verdade ele é como Matrix, e é temporário.
O corpo físico é temporário, envelhece, é frágil e está sujeito a doenças e morte!
Podemos, ao contrário, viver 500 anos no mundo espiritual em um corpo mais perfeito, sem envelhecer, sem adoecer e sem morrer.
Isso é maravilhoso!

Precisamos viver no mundo físico, entendendo as razões de aqui estarmos agora, vivenciando aquilo que precisamos vivenciar, aprendendo, mas sem perdermos a razão, sem perdermos a consciência de que em verdade somos espíritos, não apenas corpos frágeis, e que estamos aqui de passagem, apenas temporariamente, e que em breve retornaremos ao mundo original, o mundo verdadeiramente real, que é o mundo espiritual.
O mundo material que conhecemos é como Matrix! Não se esqueça disso! Desperte! Tome a “pílula”!
Ao voltarmos para o mundo real, o mundo original, que é o mundo espiritual, lembraremos de tudo isso, de toda a nossa vida e de todas as nossas experiências neste mundo material como hoje nos lembramos dos nossos sonhos, que muitas vezes são lembranças dos momentos em que estamos no mundo espiritual enquanto nosso corpo físico dorme.
O mundo real é o mundo espiritual!

Quando estamos “sonhando”, muitas vezes estamos vivendo no mundo real, e quando acordamos dizemos que sonhamos, fazendo uma verdadeira inversão. Mas isso só acontece enquanto não “tomamos a pílula” da consciência.
A projeção astral foi o caminho para mim, foi a minha “pílula” para despertar para outra realidade!
Depois que comecei a sair do corpo de forma consciente passei a ter certeza, não mais meramente acreditar, que existe outro mundo, outra dimensão, e que ela é mais real do que esta dimensão chamada de material, que hoje para mim é apenas Matrix.

Muita Paz.
Salvador, 05 de setembro de 2010.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *