UM NOVO MODELO DE EDUCAÇÃO

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Há muitos anos que venho pensando sobre o nosso modelo de educação. E isso ainda continua me incomodando.
Vejo as escolas muito preocupadas em ensinar muita matemática aos alunos, desde os pequeninos, sobrecarregando-os com um monte de coisas que jamais serão aplicadas na vida diária, a exemplo de álgebra, equação de primeiro e segundo graus, trigonometria e muitas outras coisas.
A Física e a Química, consideradas chatas por grande parte das crianças e adolescentes, também são empurradas à força, com grande quantidade de coisas que jamais serão vistas novamente, nem aplicadas na vida cotidiana.

A língua pátria, a Geografia e a História têm uma função mais prática, pois é importante conhecer o planeta, com seus diversos climas, estações do ano, etc. A História é importante para melhorar o presente a partir das experiências do passado.
Quando vejo crianças se debatendo na escola com a matemática, sobretudo, e muitas vezes perdendo a disciplina, tendo que repetir o ano, repetir tudo o que foi aprendendido durante todo um ano apenas por causa de uma única matéria, então me sinto forçado a pensar e repensar o nosso modelo de ensino, que considero equivocado.
O que precisamos realmente aprender para a vida diária? O que precisamos aprender para sermos felizes? O que é preciso aprender para sermos bons cidadãos, boas pessoas?
As escolas retiraram há muito tempo de seus currículos as disciplinas OSPB (Organização Social e Política Brasileira) e também EMC (Educação Moral e Cívica). Nunca entendi a razão disso.
As pessoas não conhecem a estrutura política e social brasileira! Não têm sequer um conhecimento mínimo sobre o funcionamento do Estado!
Poucos têm consciência do que seja um bem público, e das razões para cuidar da coisa pública. E muita gente se utiliza do patrimônio público como se seu fosse. Os políticos corruptos que o digam, quando desviam dinheiro dos cofres públicos, ou quando usam a máquina pública em campanhas políticas.

O analfabetismo tecnológico dos brasileiros é coisa que choca. E não é só dos pobres.
Quando estive na Espanha em 1996, tentei pegar um metrô em Barcelona. Na estação não havia nenhum funcionário vendendo os tickets. Apenas máquinas, para as pessoas comprarem com cartão de crédito e débito.
Li e reli as instruções escritas apenas em espanhol, e não consegui entender, pois por mais que eu entedesse eles falando, havia muitas palavras escritas que eu desconhecia, e então não pude comprar o ticket, e desisti, saí da estação e fui andar a pé e de ônibus.

Quantas vezes deixei de comprar coisas na Europa porque tudo era mecanizado, automatizado, o mesmo se dando nos Estados Unidos, e porque eu não fui preparado para usar as máquinas.
Em janeiro deste ano estive novamente nos Estados Unidos, em Orlando, para ir com a família à Disney, e aluguei um carro.
Na primeira vez em que tive que abastecer o veículo, deparei-me com meu analfabetismo tecnológico em uma coisa que ainda não tinha experimentado, pois nos postos de gasolina de lá o próprio motorista abastece o carro na bomba, não tendo frentista como aqui no Brasil.
Para minha sorte, um brasileiro que lá residia tinha acabado de abastecer o carro dele, e, tendo reparado a minha dificuldade, aproximou-se e perguntou se eu queria ajuda. É claro que aceitei! A minha vergonha não era maior do que a minha necessidade. E então aprendi a abastecer o carro sozinho.

O mundo está cada vez mais tecnológico! A cada dia mais e mais máquinas entrarão em nossas vidas, e as escolas não preparam as pessoas para usá-las.
Sabemos resolver equações complexas, ou pelo menos o Estado assim gostaria, mas muitas vezes não conseguimos tirar uma simples latinha de refrigerante em uma máquina de refrigerante, o que já temos aqui há algum tempo, mas muita gente ainda não sabe usar.
Vejo todo final de semana pessoas com dificuldades para comprar ingressos para o cinema no shopping nas máquinas de autoatendimento. E é tudo muito simples, autoexplicativo! Mas é a novidade e o despreparo!
Dificuldade com computador, máquina de lavar, cafeteiras, televisores modernos, DVDs, telefones celulares, etc.
As escolas não nos ensinam a usar nada disso!

Para que vão nos servir a complexa álgebra e a trigonometria, os polinômios, a potenciação e a radiciação, a cinemática, a química inorgânica e tantas outras coisas que nos fazem repetir ano na escola se esses conhecimentos não nos ajudam a usar as máquinas modernas, e não nos fazem mais felizes?
Tenho pensado há tempo que é hora de rever nosso modelo de educação!
Educação não pode ser apenas saturação de conhecimentos científicos inúteis para a nossa vida diária!
As escolas não nos ensinam mais como lidar com as pessoas, como nos relacionar, não têm mais lazer, educação física, que está desaparecendo, e estão apenas cheias de matérias que não servirão para nada em nossas vidas.

Quando uma sobrinha minha voltou do Canadá, há alguns anos atrás, depois de dois meses lá, em intercâmbio, queria voltar para lá, pois tinha 15 anos, e dizia que lá os adolescentes não estudavam matemática e outras matérias científicas como aqui, e eles têm mais matérias artísticas, têm culinária como matéria optativa, e outras coisas mais úteis.
Acho que eles estão mais certos do que nós!
É realmente mais importante saber cozinhar, saber usar a máquina de lavar, o computador, as máquinas das empresas, dos postos de gasolina, etc, do que aprender muitas coisas inúteis de Matemática, Física e Química.
O que usamos de matemática na vida diária?

Praticamente as quatro operações básicas: somar, subtrair, dividir e multiplicar. E as calculadoras fazem isso, e todo celular tem uma calculadora! Em todas as lojas há calculadoras! Ninguém mais faz conta no lápis!
Muito raramente fazemos uma regra de três simples, ou um cálculo de área, perímetro ou outra coisa simples. E nada mais. E isso é raro mesmo!
Todo o restante que aprendemos de matemática na escola é esquecido! Vai para a lixeira da mente! Apenas comparando à lixeira virtual do computador!
E quanto à Química e a Física?
O que usamos em nossa vida?

Essas três matérias (matemática, física e química) são as grandes responsáveis pela evasão escolar!
Nunca soube de alguém que tivesse abandonado a escola por causa de Português, História ou Geografia!
Se as escolas mudarem seus conteúdos programáticos, tornando-os mais agradáveis e amenos, sem tantas dificuldades, haveria mais gente estudando até o fim.
O que precisamos aprender para a nossa vida e a nossa felicidade?
Educar não é apenas encher as pessoas de conhecimento científico!

Educar passa mais pelo autoconhecimento, pelo conhecimento do outro, pelo conhecimento da sociedade, etc.
Deveríamos estudar mais Sociologia básica, Psicologia básica, Direito básico, o Estado em seus fundamentos e princípios básicos, etc.
Filosofia! Como precisamos de filosofia!
Precisamos mais de Platão do que de Matemática!
Urge conhecer mais Sócrates e menos Física e Química!

Temos que aprender a conviver em sociedade! As escolas não ensinam isso! A violência crescente nas escolas está provando isso!
É preciso aprender as leis básicas do país, as leis penais, as leis de trânsito! Tudo nos seus fundamentos! Muita gente nem sabe o que é crime, o que constitui crime, mas a lei não atenua a pena porque a pessoa ignorava a lei! Isso é paradoxal!
Enquanto isso, as salas de aulas estão lotadas de crianças e adolescentes que são forçados a aprender tantas e tantas coisas que nunca mais verão na vida! Isso é uma imensa perda de tempo, de dinheiro, de vida, que poderiam estar sendo utilizados em coisas mais úteis para a vida e para a felicidade das pessoas.
Será que só eu penso assim? Será que ninguém mais pensa como eu?
Nunca vi ninguém escrevendo ou dizendo isso antes!

Nem alunos, nem professores escrevem ou falam sobre isso!
Aliás, meu filho caçula fala toda hora que está estudando um monte de coisas inúteis! E não posso discordar dele! Eu não estaria sendo honesto comigo mesmo e com ele!
Quanto tempo e dinheiro o Estado gasta com o ensino de coisas inúteis para a vida das pessoas!
Nunca mais em minha vida usei trigonometria, equações, potenciação e radiciação depois do vestibular!
O mesmo posso dizer da dinâmica e da cinemática com suas fórmulas horríveis! Esqueci tudo! E não preciso lembrar mais! Para quê? Não me servem para nada! Nunca me serviram para coisa alguma!

Há tanta coisa inútil sendo ensinada nas escolas! E tanta coisa nova no mundo real, as máquinas, as tecnologias, tudo cada dia mais e mais automatizado, sem que ninguém nos ensine a usar essas máquinas e tecnologias.
Somos analfabetos tecnológicos! Mas precisamos saber resolver equações de segundo grau, e trabalhar com raiz quadrada! Que contradição!
Precisamos mudar nosso modelo de educação, rever nossos valores de educação, alterar toda a nossa grade curricular das escolas, para retirar matérias inúteis para nossa vida diária, e incluir aquilo que realmente importa, que será útil no dia a dia em nossas vidas, e que podem contribuir de alguma forma para a nossa felicidade.
Acho que precisamos verdadeiramente fazer uma revolução educacional!

Os alunos precisam voltar a respeitar os mestres! Os professores precisam parar de cobrar coisas inúteis dos alunos! Parar de fazer terrorismo psicológico ameaçando os alunos de reprovação!
O Estado precisa ver o que realmente é importante para a nossa vida e para a nossa felicidade! Ver as novas tecnologias, as novas máquinas chegando ao país, e levar as escolas a ensinar as nossas crianças desde cedo a usar essas máquinas e tecnologias modernas.
Precisamos nos atualizar, e sair do analfabetismo tecnológico e funcional!
Não sabemos como os modernos aparelhos funcionam!

No tempo do Vídeo Cassete, pouca gente sabia programar para gravar durante a noite!
Pouca gente hoje usa os todos os recursos dos modernos celulares! Muitos se limitam a fazer e atender chamadas! Os mais velhos, coitados, muitas vezes nem conseguem tirar fotos com celular! Enviar pela internet, nem pensar! Muita gente ainda usa câmeras fotográficas antigas, tendo medo das digitais!
Temos aparelhos cada vez mais e mais complexos e interligados, mas a nossa ignorância continua a mesma de sempre!
Entramos no século XXI com a educação do século XX!

Precisamos nos modernizar! Aprender o que importa, e abandonar as coisas inúteis de nossa vida escolar!
Escrevo essas palavras principalmente para os educadores e pensadores do Brasil, para uma reflexão aberta e desapaixonada.
Se acharem que estou totalmente equivocado, que me perdoem. Mas eu precisava fazer esse desabafo contido há muito tempo!
Vejo há tanto tempo meus filhos, irmãos, sobrinhos e outras crianças sofrendo nas escolas com coisas inúteis, e pessoas se debatendo com as máquinas modernas sem ter a menor condição de lidar com elas porque as escolas não as ensinaram nada do que era realmente necessário para a nossa vida no futuro tecnológico que já chegou.
Menos Matemática, menos Física, menos Química, e mais aulas sobre como usar um computador, uma máquina de fazer café nas clínicas e hospitais, como usar os recursos dos telefones celulares, como usar os recursos das TVs modernas, agora com HDTV, que quase ninguém sabe o que é, os recursos do DVD, etc.
Olhamos o fundo dos modernos aparelhos de TV e nem sabemos para que servem tantas entradas e saídas com aquelas siglas todas desconhecidas.
Quem lê os manuais complexos?

Um simples forno de microondas já é uma dificuldade para muita gente! Levei anos sem querer comprar um!
Ainda chegam mocinhas do interior para trabalhar em casas de família nas capitais que nunca viram um liquidificador! É verdade! E ainda há algumas que nunca viram uma escada rolante, e que sentem medo de subir em uma, o mesmo se dando com o elevador. Mas muitas vezes elas foram a escolas, e sabem um pouco de matemática. Para que serviu aprender tanta matemática?
É hora de repensar o nosso modelo de educação!

O que é educação? É apenas ensinar a ler e escrever, a fazer operações matemáticas e conhecer todas as ciências?
Conhecer todas as ciências e não usá-las na vida diária é coisa que me parece inútil!
Precisamos pensar em uma educação da alma, do ser, para viver bem em sociedade e consigo mesmo, não precisando saber todo o conteúdo das ciências, mesmo porque nenhum computador comporta todo o saber produzido pelo homem.

Educação que não faz a pessoa feliz é apenas intelectualismo vazio! E acho que já tivemos isso por muito tempo!
É hora de mudar de rumo, acertar o leme e buscar uma educação que realize o potencial humano e o faça verdadeiramente feliz!
É a reflexão que deixo para o leitor!
Muita Paz.

Salvador, 11 de setembro de 2010 (Atualizado em 16.12.2012).
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *