SÓCIOS DOS TRAFICANTES

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Acabo de assistir no cinema o filme nacional Federal.
Saí da sala de projeção já pensando em escrever sobre o tema que aqui agora vou abordar.
Na verdade, há algum tempo que venho pensando em escrever sobre o assunto.

Há alguns dias atrás assisti Tropa de Elite 2, que trata do mesmo tema, o tráfico de drogas.
Algumas pessoas talvez vejam nesses filmes apenas a ação, o enredo policial, a questão do tráfico. Vejo isso também, mas vejo outra questão que considero mais séria, a do consumidor sustentando toda a estrutura do tráfico, que gera violência, corrupção e morte.

Todos sabemos, pois vemos quase que diariamente pela televisão, que o tráfico de drogas provoca muitas mortes, seja na guerra entre os próprios traficantes nas disputas eternas pelos pontos de venda de drogas, seja no combate das forças policiais ao tráfico, sejam os inocentes que recebem balas perdidas nessas lutas.
Além das mortes decorrentes das lutas provocadas pelo tráfico e venda das drogas, há ainda um número muito grande de mortes de usuários de drogas, nas chamadas overdoses.
Quantas serão as vítimas anuais diretas e indiretas ligadas ao tráfico e comércio das drogas ilícitas no Brasil?
Não tenho conhecimento de estatísticas sobre esse número de mortes. Mas são muitas.

O primeiro filme Tropa de Elite mostra uma realidade que poucos observam e sobre a qual quase ninguém reflete.
É que entre as pessoas que fazem manifestações contra a violência, que defendem a paz, e que se dizem contra a violência decorrente do tráfico de drogas há muitas que fazem uso também de drogas, como maconha, cocaína, crack e outras.
Isso acaba mesmo configurando a hipocrisia dos defensores da paz e que consomem as drogas, porque essas pessoas ao mesmo tempo em que pregam contra a violência estão sustentando os produtores e comerciantes de drogas, que geram violência.

As empresas são sustentadas por seus clientes, ou seja, são os consumidores dos produtos fabricados e comercializados pelas empresas diversas que as mantêm em funcionamento e ativas no mercado.
Se as pessoas deixam de consumir um determinado produto, a empresa fabricante e todas as que vendem seus produtos entram em falência.
Isso me leva sempre a pensar que se todos deixassem de usar drogas, de todos os tipos, digo as drogas ilícitas, como maconha, cocaína, crack, etc, tanto os produtores quanto os comerciantes de drogas, que são os traficantes, entrariam em falência, como acontece com qualquer outra empresa.
Assim, só existem organizações para produção e tráfico de drogas porque existe clientela, porque existem consumidores.
Sem consumidores das drogas, não existiria produção, não existiria tráfico.

Sem tráfico de drogas, não existiria morte de jovens e adolescentes que trabalham para as organizações de traficantes, e não existiria morte de policiais, nem de consumidores por overdose.
Como vemos, não há outra solução a ser dada ao problema, a não ser deixar de consumir drogas, para que entrem em falência os produtores e os traficantes de drogas.
Não adianta investir milhões e milhões de reais todos os anos no combate ao tráfico!
Não quero dizer que se deve parar de investir no combate às drogas!
O que quero dizer é que a guerra contra os tráfico é uma guerra perdida, salvo se as pessoas deixarem de comprar e de consumir as drogas.
Não haverá mais tráfico de drogas sem consumidor para comprá-las!
Todo aquele que consome droga é sócio dos traficantes!

Se você fuma um cigarrinho “inocente” de maconha no final de semana, saiba que você está financiando o tráfico, e também a produção dela.
Se você dá uma cheiradinha numa casa noturna de dança, você está financiando os traficantes!
Se você dá uma fumadinda de crack para curtir, para se divertir, que é a droga da vez, você é sócio dos traficantes!
Todo aquele que fuma maconha, cheira cocaína, fuma crack, ou consome qualquer outro tipo de droga está financiando a produção e o tráfico de drogas, e é sócio dos traficantes.
E você, que está lendo agora este texto, dá uma cheiradinha no pó, “dá um tapa” num baseado, fuma uma pedrinha de crack?
Se sua resposta for positiva, sinto muito em lhe dizer, meu amigo, mas você é um sócio dos traficantes, e é também responsável por muitas mortes, como acima descrito, tanto no Brasil quanto na Colômbia ou em outros países de onde provêm as drogas.

Joguei pesado demais, não foi?
Não, acho que não! Apenas estou a chamar a sua atenção para um fato real, que poucos querem ver.
Muita gente fuma maconha e crack sem se sentir responsável pelas mortes e por toda a violência e corrupção envolvidos no processo de fabricação, comércio e consumo das drogas. Essas pessoas sequer constumam refletir sobre isso.
Para quê? Estão vivendo o momento, estão curtindo. Para quê pensar num problema que não lhes diz repeito?
Muita gente pensa mesmo assim! Esses são os extremamente egoístas!

Esses só pensam no seu prazer! Se isso vai causar dor nos outros, não lhes importa.
Se mães vão perder jovens que trabalham para os traficantes, esposas e filhos vão perder seus esposos e pais policiais, se as organizações poderosas do tráfico vão corromper autoridades policiais e políticos, e se inflitrarem até no alto escalão do poder em Brasília, essas pessoas que fumam seu baseado no final de semana não estão nem aí.
Se você é um espiritualista, deve ter maior ainda maior consciência espiritual e deve saber o que é a Lei de Causa e Efeito.
Assim, se você espiritualista usa droga, saiba que está comprometido com a Lei de Causa e Efeito, a Lei do Carma, e é responsável por todas as mortes e dores causadas pelo processo que leva seu cigarrinho de maconha até você.

Você que dá uma cheiradinha de leve para ficar “numa boa”, e se viciou nisso, saiba que está carmicamente comprometido, e vai responder por ter se associado aos traficantes.
Amigo, reflita seriamente após ler este texto, se nunca pensou em tudo isso que escrevi.
Se você é sócio dos traficantes, por menor que seja a sua participação nessa sociedade, por fazer uso eventual e esporádico de alguma droga, saia já dessa sociedade mortal e sem ética alguma, nem respeito algum pelo ser humano.

A única coisa que os traficantes querem é a sua grana, e nada mais! Se você vai morrer ou não, eles não ligam, pois morre um viciado e eles arranjam logo outro para substituí-lo!
Se você tem outra consciência, uma consciência espiritual, rompa imediatamente os laços com os traficantes e com as drogas, e fique em paz com a sua consciência.
Não seja sócio dos traficantes!
Muita Paz.

Salvador, 03 de novembro de 2010.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *