CULTO À MEDIOCRIDADE

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Hoje pela manhã, bem cedo, assistindo a um telejornal local, em Salvador, pela TV Bahia, fiquei a pensar em como a televisão algumas vezes cultua a mediocridade, e incentiva, mesmo sem querer, as pessoas a se prenderem na mediocridade.
A matéria apresentada era sobre o Rei Momo e a Rainha da micareta de Feira de Santana, cidade próxima a Salvador.
O rei e a rainda escolhidos, como tradicionalmente tem sido feito também em Salvador, são gordinhos, quer dizer, obesos.
O jornalista que entrevistava os dois, na rua, juntou a essa matéria um cantor de pagode, ou arrocha, não lembro bem, e mesmo porque os dois “estilos musicais” para mim são muito parecidos. Não sei diferenciar direito.

No meio da matéria, o artista cantou um pedaço de sua música em que dizia “Ela é gordinha, mas é gostosa”, enquanto a rainha da micareta dançava mexendo a barriga e o bumbum, naquela forma já bem conhecida dos shows de pagode e arrocha, de forma “sensual”.
Não satisfeitos, os jornalistas foram até uma escola de crianças, provavelmente pública, e colocaram as crianças para dizerem se aprovavam o rei e a rainha da micareta, e a criançada inocente gritou “sim”.
Para terminar, fizeram as crianças inocentes cantarem “Ela é gordinha, mas é gostosa”.
Eram crianças mesmo! Não eram adolescentes, nem tampouco jovens! Apenas crianças pequenas! Talvez no máximo de 12 anos de idade!
Então a imagem volta para o estúdio de TV, e os dois apresentadores do telejornal estão rindo.
Eu, em casa, estava quase chorando…exagero, confesso…mas estava triste, e refletindo sobre a mediocridade incentivada pela televisão.
Em seguida, para completar, o telejornal passou a apresentar uma matéria sobre hipertensão.
Não se deram conta (será?) de que tinham acabado de mostrar uma matéria enaltecendo a obesidade, inclusive com música cantada por um coro de criancinhas associando a moça gordinha à expressão chula e vulgar “gostosa”.

A própria emissora está sempre mostrando matérias sobre obesidade e hipertensão, em que médicos associam as duas coisas!
A toda hora as emissoras nos mostram os riscos da obesidade, que pode gerar a hipertensão.
Já foi feita pesquisa médica nos Estados Unidos mostrando que quem é obeso tem 30% a mais de chance de desenvolver alguma forma de câncer.
Obesos estão na faixa maior de risco, portanto, de desenvolverem alguma forma de câncer, de sofrerem de hipertensão, de terem AVC, diabetes e outros tipos de problemas de saúde.
A televisão não deveria, portanto, estar incentivando a obesidade! Nem mesmo de forma indireta, enaltecendo reis e rainhas gordinhos de carnaval.
Não se trata de discriminar os gordinhos! Mas de não associar a gordura corporal excessiva, ou seja, a obesidade, com “gostosura”, com coisa boa, pois obesidade não é recomendada por médico algum. Pelo contrário, a obesidade é cada vez mais combatida pelos médicos.

Precisamos ter cuidado ao cultuar, mesmo sem ter essa intenção, a mediocridade!
Já temos programas demais na televisão cultuando a mediocridade!
O maior exemplo de mediocridade hoje, para mim, na televisão brasileira, é o programa Big Brother Brasil, da Rede Globo.
Um aglomerado de desocupados malhados, tatuados, tentando passar a rasteira uns nos outros por dinheiro. E de vez em quando uma das malhadas do programa pousa nua depois em revistas eróticas.
As pessoas que possuem em casa TV a cabo dificilmente assistem a esse tipo de programa. Mas quem não pode pagar uma assinatura de TV a caba termina ficando com a programção normal da TV aberta, e acaba absorvendo muita coisa que não presta, como os BBB da vida…
Tentar pregar o boicote a esses programas é inócuo, e inútil! Quem me ouviria? E onde? Meus leitores são ainda muito poucos para que isso surta algum efeito contreto…
Espero, no entanto, que essa reflexão chegue até alguém da emissora de TV para que ela tenha mais cuidado, e que seus dirigentes reflitam sobre o incentivo à mediocridade, isso se não acharem realmente que é exatamente essa mediocridade que dá IBOPE, e dá muito dinheiro…

Envolver crianças em matérias como a que cito aqui não contribui em nada para a sua educação!
Afinal, obesidade não é saudável! E poucos homens acham de fato as mulheres obesas “gostosas”! Isso é apenas letra de música para agradar as gordinhas…
Como estamos chegando aos 50% de obsesos no Brasil, segundo matéria recentemente exibida pela mesma emissora de TV, agradar os gordinhos parece ser um novo “filão” do mercado consumidor. Então, por que não fazer música elogiando os gordinhos? Mas o que ainda vemos na realidade é os gordinhos sendo discriminados na hora da escolha de parceiros sexuais, para namoro, etc. Essa é a realidade ainda em nossa sociedade!
A obesidade não tem nada de positivo! E a mediocridade muito menos!

Muita Paz.

Salvador, 26 de abril de 2011.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *