TRAGÉDIA DO RIO – SÓ A REENCARNAÇÃO EXPLICA

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Ontem no início da tarde, quando assisti pela TV a tragédia que aconteceu em uma escola de Realengo, bairro da cidade do Rio de Janeiro, fiquei chocado e chorei, como quase todos os brasileiros que têm sentimento, sobretudo os mais velhos, já casados, e que possuem filhos na adolescência, como eu.
Grande parte dos estudantes mortos na escola tinha a idade de meu filho, 14 anos.
Senti a dor dos pais! Senti a dor dos colegas que conseguiram escapar, mas que perderam seus amigos da escola!
Como explicar o ato tão violento, tão maldoso, e tão covarde do jovem de 24 anos que matou os estudantes indefesos?
Um jovem que era órfão de pai e mãe, criado por um casal, e que recentemente perdeu o pai adotivo e também a mãe adotiva.
Quantos traumas e dores desse jovem! Estaria ele se sentindo abandonado no mundo? Estaria com medo de enfrentar a vida sozinho? O que teria sofrido na escola, quando lá estudou, para gerar tamanho ódio dela, a ponto de planejar matar dezenas de alunos? Teria sofrido nas mãos de colegas? Teria sido molestado por alguém na escola, ou sido maltratado, ou rejeitado?
São muitas as perguntas, e poucas as respostas até agora!

Por outro lado, se olharmos pelo ângulo das religiões, da maioria delas, como explicar que Deus permitiu tamanha atrocidade, tamanha barbárie?
Se Deus é justo e bom, como permite que tais atos aconteçam e provoquem tanta dor em tantas pessoas?
Se somente temos uma única vida, por que esses adolescentes, em idade tão tenra, já sofreram tanto, e perderam a vida tão cedo?
O que teriam feito seus pais para sofrerem essa perda tão dolorosa?
Os adolescentes nem tiveram tempo de errar ao ponto de pagarem pena tão pesada!
O que, então, justifica esse fato? Há explicação para ele?

Considerando-se apenas uma única vida, não, não encontro explicação para tamanha dor, a não ser que a atribuamos ao mero acaso.
Se não somos materialistas, como eu não sou, partimos para a busca de explicação na religião, na filosofia, e em Deus.
Jesus, centro do Cristianismo, venerado por muitas dezenas de igrejas cristãs, dizia que “Não cai um fio de nossa cabeça sem que Deus saiba e permita!”. E ainda dizia, de forma similar, que “Não cai uma folha de uma árvore sem que Deus saiba e permita!”.
Assim, nada acontece, segundo Jesus, sem o conhecimento e a permissão de Deus.

Temos que concluir, então, por questão de lógica, que Deus tinha conhecimento do que estava para acontecer naquela escola do Rio de Janeiro, e que Ele permitiu que acontecesse? Mas por quê? Apenas para mostrar o seu Poder? Claro que não! Para castigar? Mas castigar a quem? E por quê?
Não há respostas para essas perguntas se considerarmos apenas uma vida!
Todavia, se acreditarmos que existem várias vidas, várias encarnações, então poderemos encontrar respostas mais lógicas, mais racionais e satisfatórias.
Ninguém sofre inocente! Do contrário, Deus não seria justo, e por isso nem seria Deus, já que tanto a Filosofia como a Teologia atribuem a Deus os atributos da Justiça e da Bondade.
Como temos várias vidas, quando estamos no início de cada uma delas parecemos inocentes, puros muitas vezes, mas guardamos dentro de nós, em nossa consciência mais profunda, nossos erros do passado.

Há uma lei universal chamada de Lei de Causa e Efeito, ou Lei do Carma, ou ainda Lei de Ação e Reação, que regula nossas ações e suas consequências, posto que toda ação provoca uma reação; todo efeito possui uma causa.
O jovem que cometeu os crimes hediondos na escola do Rio terá que arcar com as consequências do que fez agora.
Se a maioria das pessoas pudessem ver agora em um telão uma vida futura em que esse jovem será assassinado brutal e covardemente em plena adolescência, acharia e diria que ele merece exatamente isso. E costumamos fazer assim os nossos julgamentos, precipitados, sem conhecer profundamente as intrincadas relações entre as causas e os efeitos entrelaçados nas várias vidas.
Ele merece ser assassinado em outra vida! Muita gente diria isso!
No entanto, quem se arriscaria a ver o passado desses adolescentes, ver o que eles fizeram em vida passada que levou a sofrerem a morte dessa forma, tão jovens e inocentes?
Se os pais vissem em um telão seus filhos em outra vida assassinando crianças e adolescentes, ou coisa do gênero, talvez ficassem menos revoltados com Deus, e alguns ficam mesmo.
Colhemos sempre os frutos do que plantamos!

Jesus dia que “A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória!”
Podemos agir com certa liberdade, pois “O escândalo é necessário”, como dia Jesus, mas ele também dizia “Mas ai daqueles que provocam o escândalo”!
Era preciso, para cumprimento da Lei de Causa e Efeito, que esses espíritos agora em plena adolescência tivessem a vida ceifada de forma cruel e violenta, como foi também o caso do garotinho arrastado pelas ruas do Rio preso ao cinto de segurança, por alguma razão plantada por eles mesmos no passado.
Quanto ao jovem homicida, sofrerá no futuro, em outras vidas, e já no além túmulo, pelo ato insano praticado.
Quanto mais lucidez ele tenha tido no planejamento e execução desse ato tresloucado, maior será a sua responsabilidade!
Se ele estava sob forte influência e domínio, quem sabe, de espíritos malignos e perversos, então sua culpa será atenuada, mas não totalmente excluída, posto que só somos dominados pelos maus espíritos quando permitimos que isso aconteça, com nossos pensamentos e atitudes.
Por maior que tenha sido a dor, a perda, tentemos pensar que se Deus é Bom e Justo, Ele teve suas razões para consentir esse crime bárbaro.
Deus não imporia um sofrimento inútil a tanta gente!

A mesma coisa se aplica aos mortos pelo terremoto e tsunami do Japão, pelo terremoto no Haiti, no Chile, e em tantas guerras.
Tudo tem uma razão de ser!
Além do mais, o espírito é imortal! Estamos aprendendo em cada vida muitas lições!
A partida de um filho é um retorno de um espírito para a pátria espiritual, o mundo original.
Em breve tempo, os pais os encontrarão lá, vivos e sorridentes!
Há coisas na vida que só a reencarnação pode explicar, junto com a Lei de Causa e Efeito.
A tragédia da escola do Rio é uma delas!

Muita Paz.
Salvador, 08 de abril de 2011.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *