ASSASSINOS EM POTENCIAL

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Mais de uma vez por semana vejo notícias na TV sobre motoristas embriagados que atropelaram e mataram pessoas nas calçadas, ou provocaram acidentes com vítimas fatais.
Isso tem sido cada vez mais frequente!
No entanto, mesmo a TV noticiando esses fatos, as pessoas não tomam consciência, e continuam saindo de carro para beber, ou bebem em casa mesmo e depois saem com seus carros, provocando acidentes mortais.
Parece que a vontade de beber de certas pessoas, o vício, a dependência, é mais forte do que a consciência dos perigos que geram ao volante.
Quantas reportagens já foram exibidas nas emissoras de TV mostrando que uma simples latinha de cerveja já é o suficiente para diminuir o reflexo do motorista 20 minutos depois que ele ingere a bebida, tempo em que o álcool chega ao sistema nervoso.

Duas latinhas diminuem mais ainda o reflexo. O que dizer de dez latinhas de cerveja? Ou de duas dozes de uísque, ou de duas caipiroscas, ou outras bebidas fortes como a cachaça?
Já ouvi muita gente dizer que quando bebe dirige melhor ainda!
Isso é pura fantasia! É irreal!
O álcool diminui, sim, os reflexos! Isso é científico!
O equilíbrio corporal diminui, a visão diminui, o tato diminui, a audição diminui, e tudo o mais.
Todos os sentidos do corpo são reduzidos, e quanto maior a quantidade ingerida de álcool, maior será essa redução dos sentidos.
Quem bebe e depois dirige é irresponsável! Negar isso é infantilidade! É negar um fato, uma realidade!
É por causa dessa infantilidade que todos os dias pessoas perdem a vida, por causa de motoristas embriagados.

Quem bebe e depois dirige sabe dos riscos de provocar um acidente, inclusive com vítimas fatais. E isso é considerado, por alguns juristas da área criminal, como dolo eventual.
O dolo é intenção. E o dolo eventual existe quando a pessoa assume o risco, com o seu comportamento, de produzir o resultado, que no caso é a morte.
Quem bebe e dirige em seguida sabe dos riscos de produzir um acidente, e por isso, a meu ver, age com dolo eventual, pois assume o risco de matar outras pessoas ao perder o controle do veículo.
Dessa forma, entendo que os motoristas que matam por atropelamento ou por baterem em outros veículos e matarem pessoas deveriam responder por homicídio doloso, não culposo.
Não se pode falar em mera negligência, ou imprudência ou imperícia.

A pessoa que bebe e depois dirige está assumindo o risco de matar pessoas. E, matando, para mim, comete homicídio doloso, devido ao dolo eventual.
Infelismente o Supremo Tribunal Federal recentemente em uma decisão envolvendo motorista que matou uma pessoa dirigindo embriagado entendeu que não houve dolo, mas apenas culpa, o que significa uma pena menor, e jamais com pena de prisão.
Nunca soube de um único caso em que algum motorista embriagado tivesse ceifado vidas e tivesse ficado sequer 24 horas na delegacia, quando preso em flagrante, muito menos que tivesse cumprido pena de detenção ou reclusão.
Nunca ninguém no Brasil, que eu saiba, passou duas noites na cadeia por ter matado alguém no volante, mesmo nos casos em que o motorista subiu na calçada e matou três, quatro, cinco pessoas ou mais.

Dizer que isso é um absurdo, e que isso gera uma sensação de impunidade na sociedade e que isso por sua vez estimula outros casos semelhantes é dizer o menos. É dizer pouco!
O Brasil é mesmo um país onde a impunidade é tônica geral! E essa impunidade dá mais liberdade para as ações criminosas de todos os tipos, inclusive não desestimulando os motoristas a beberem e dirigirem.
As propagandas de bebidas na TV estimulam o apetite pelo álcool!
As pessoas não conseguem beber com moderação, mesmo por que as propagandas são muito bonitas e atraentes, muito criativas, muito engraçadas, de modo a gerar uma forte vontade de beber, e então somente no final de toda aquela festa visual animada uma voz diz de forma relâmpago “Beba com moderação”. Quase não dá para entender essa frase, tão rápido que é dita, para não estragar o efeito invisível de toda a propaganda que está “gritando”: “Beba, beba, beba bastante, para nós vendermos muito e ganharmos muito dinheiro”.
Pessoas ricas matam com seus carrões caros, como o empresário paulista, e pagam altas fianças, como o paulista que pagou 300 mil reais de fiança, e ficam livres para beberem novamente e matarem mais outra pessoas.

Os ricos têm “licença para matar”, como o agente 007 dos filmes, pois quem tem dinheiro pode pagar altas fianças, e jamais vai para a casa de detenção aguardar o julgamento preso.
Quando é que as pessoas vão desenvolver um senso de responsabilidade que suplante seus desejos e vícios?
Quando é que as pessoas vão deixar de dirigir depois de beber, por terem a consciência de que isso poderá provocar um acidente, inclusive com vitimas fatais?
Quem bebe e depois sai pelas ruas dirigindo é um assassino em potencial!
Desculpem-me por essa frase! Sei que ela é muito forte! Mas para mim, essa é a realidade!
Qualquer um que toma quatro ou mais latinhas ou garrafinhas de cerveja, duas dozes ou mais de uísque ou duas roscas, etc., e depois pega o carro e sai dirigindo está colocando a sua vida em risco, e também a de outras pessoas, inclusive a vida daquelas que sequer bebem.
Quantas crianças já foram mortas em calçadas, e em pontos de ônibus, porque um motorista embriagado não conseguiu fazer a curva fechada e perdeu o controle do veículo e subiu na calçada, tirando as vidas inocentes?
Até quando essas coisas ainda acontecerão?

Enquanto as pessoas não se tornarem responsáveis, e as leis não se tornarem mais rigorosas nas punições nessas situações, assistiremos “de camarote”, pela TV, quase que diariamente, casos de atropelamentos e acidentes fatais envolvendo motoristas embriagados.
Quem bebe e dirige, sem ter o total controle sobre seus sentidos físicos, está assumindo o risco de matar!
Quem faz isso é mesmo um assassino em potencial, pois poderá amanhã mesmo matar alguém, e aparecer na TV como mais um a tirar vidas por sua irresponsabilidade e falta de consciência.
O pior, e mais triste de tudo isso, é que até mesmo as pessoas que se consideram religiosas e espiritualistas também fazem isso!
Os espiritualistas sabem do carma que estarão gerando ao ferirem ou matarem pessoas por sua irresponsabilidade, por sua falta de controle do apetite alcoólico, seu vício.
Quem com ferro fere, com ferro será ferido!

Essa é a Lei de Causa e Efeito, e dela ninguém escapa!
Abra seus olhos, abra a sua mente, e, sobretudo, abra o seu coração, e saia do time dos assassinos em potencial!
Muita Paz.

Salvador, 09 de outubro de 2011.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *