CONTROLANDO O LOBO INTERIOR

Print Friendly, PDF & Email
Avalie o artigo

Temos acompanhado ultimamente pela televisão tantos atos de violência, tantos atos bestiais, que acabamos lembrando dos lobos, aquele animal que vive colocando os dentes para fora, com grandes caninos, de forma ameaçadora.
A “guerra” entre torcidas no estádio de futebol no Egito, mesclando fanatismo por futebol com fanatismo político, com inúmeros mortos; a violência nas ruas da Síria, que já causou centenas de mortes, por questões também políticas; a violência nas ruas da Grécia, por questões econômicas; a violência nas ruas de Salvador e interior da Bahia, provocada pela greve dos policiais militares do Estado e tantas outras violências.
Em poucos dias, só no Rio de Janeiro aconteceram dois casos de violência desmedida e injustificável contra moradores de rua. Jovens de classe média espancando covardemente pessoas sem chance de defesa.

No Rio de Janeiro, só por causa de uma pane em um trem, centenas de pessoas partiram para a violência, até entrarem em confronto com a polícia.
Há muitas pessoas no mundo que ainda não conseguem controlar seus impulsos mais primitivos de violência, e não se trata de instinto de sobrevivência, de autodefesa, mas de ataque muitas vezes covarde e desnecessário a outras pessoas, muitas delas mais fracas e indefesas, ou contra as forças legais que têm a função de manter a ordem na sociedade.
A maioria de nós, seres humanos, ainda tem um pouco de agressividade, por menor que seja; ainda tem um lobo dentro de si, por mais que ele permaneça manso na maior parte do tempo. E de vez em quando esse lobo parece despertar, quando se sente ameaçado de alguma forma, e parte para o ataque, e muitas vezes isso se dá de forma totalmente descontrolada.
Que necessidade havia de os policiais militares em greve enfrentarem as tropas que cercavam a Assembleia Legislativa da Bahia?
O Exército, a Polícia Federal e a própria Polícia Militar estavam ali para garantir a ordem. Estavam cumprindo ordens, cumprindo o seu dever, enquanto os outros estavam provocando a desordem.

Que necessidade as pessoas tinham de apedrejar os trens e lutarem contra a polícia no Rio por causa do trem que quebrou?
Que necessidade as pessoas no Egito tinham de matarem outras pessoas com pedras e facas no estádio de futebol?
Há pessoas que parecem viver procurando um motivo para colocar a sua agressividade para fora!
Quando encontram, extravasam, mas isso às vezes leva a ferirem e até a matarem outras pessoas, e assim ficam saciadas, como o lobo faminto de carne na floresta se sente saciado após destroçarem a sua a caça.
Até quando os homens ainda serão lobos dos próprios homens?

Até quando viveremos sem controle emocional, sem conseguir conter nossos impulsos agressivos e violentos?
Até quando sairemos às ruas como lobos, à caça de carne humana, de sangue, e precisando saciar o gosto de sangue?
Muitas pessoas se comportam realmente como lobos!
Muitos assaltantes roubam e depois matam porque sentem essa ânsia de matar, que não conseguem controlar!
Está mais do que na hora de trabalharmos essas questões internas, e que se repercutem na sociedade como um todo.
A maior parte da sociedade hoje já é composta por cordeiros, por gente pacífica, que não agride, não bate nem mata.
Todavia, uma minoria agressiva ainda faz grandes estragos e faz o todo sofrer!
Precisamos controlar o lobo dentro de nós!

Se não controlarmos nosso lobo interior, ele terminará nos consumindo!
Vamos nos desarmar mentalmente, e deixar de usar armas também.
Vamos sair para a rua sem ver nos outros um inimigo, nem ver os outros como lobos, prontos a nos devorar.
Vamos olhar para os outros seres humanos como irmãos!
Não importa se temos com os outros divergências políticas, ideológicas, religiosas ou filosóficas.
Não importa se o outro tem outra cor de pele, tem outra nacionalidade, outra língua, outra etnia, outros costumes, etc.
Somos todos irmãos! Somos todos criatura divina!
Somos todos emanações de Deus!

Não deixemos nosso animal interior, nosso lobo interno sair às ruas e causar destruição e sofrimento na vida dos outros.
Procuremos nosso cordeiro interior, nosso anjo interior, até que ele apareça, resplandeça e nos domine, e então não mais seremos capazes de causar dor e sofrimento a qualquer ser vivo!
Esse era o ideal de Buda! Esse era o ideal de São Francisco! Esse era o ideal de Jesus Cristo!
Seja manso e pacífico sempre!
Os mansos herdarão a Terra!
Os lobos serão exilados!
A escolha se aproxima a passos largos, e por isso há tanta agitação no mundo!
É hora de se escolher! Os escolhidos serão aqueles que se escolherem, que escolherem ser cordeiros, não lobos.

Muita Paz.
Salvador, 10 de fevereiro de 2012.
Luiz Roberto Mattos

Conheça nossa loja virtual: http://mestresanakhan.com.br/loja/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *